Magazine Button

Especialista da CNet explica a diferença do provedor de educação dos demais

Data CentresEducationInsightsInsightsTop Stories

Melissa Chambal, gerente técnica e mentora de desenvolvimento de carreira internacional da CNet Training, líder global de educação técnica para a indústria de infraestrutura digital, nos Estados Unidos, Canadá e América Latina, tem mais de 20 anos de experiência em data center e infraestrutura de rede, além de cinco anos ensinando design de data center e programas de design de rede. Ela lecionou em uma base da Marinha Americana, na Califórnia, e realizou uma auditoria de data center nas instalações do Departamento de Defesa. Hoje, Chambal oferece programas de Data Center Global da CNet Training, incluindo gerenciamento, projeto e auditoria de data center.

Chambal oferece uma visão sobre sua jornada de carreira e nos diz o que diferencia a CNet das outros provedores e fornece conselhos para aspirantes a profissionais de data center.

Você pode nos contar um pouco mais sobre quem você é e sua jornada para se tornar um Instrutor de Treinamento CNet?

Meu nome é Melissa e ingressei na CNet Training em 2013 como gerente técnico dos EUA, Canadá e América Latina. Foi uma jornada enriquecedora nos últimos oito anos. Antes de trabalhar na CNet,trabalhei como gerente de projetos para uma empresa elétrica em Nova Iorque. Comecei fazendo projetos e gerenciando. Foi uma experiência incrível.

Como você entrou no setor de data center?

Minha função na maioria dos meus projetos envolveu cabear pregões com cobre e fibra suficiente para se parecer com um simulador de voo e garantir que todos os cabos fossem testados no data center.

Por que você decidiu se tornar uma instrutora?

Essa é uma pergunta interessante. Como engenheira de projeto, eu revisaria as RFPs para submissão. Nossa resposta aos requisitos seria, naturalmente, ‘entendemos e cumpriremos todos os padrões de cabeamento estruturado’. No escritório, nós conhecíamos os padrões, mas quando eu visitava o local e fazia minha avaliação de controle de qualidade, era óbvio que as equipes de instalação não estavam familiarizadas com os padrões de cabeamento reconhecidos e com os requisitos mínimos esperados. Quando eu trouxe esse fato à minha gerência, eles concordaram e me deixaram encarregada de desenvolver um programa de treinamento interno. Por mais assustador e desafiador que fosse, depois da aula, descobri que estava completamente viciada na atmosfera de aprendizado e de troca de ideias com outros profissionais, pois todos podemos aprender algo novo.

O que você acha que é mais gratificante em ser uma instrutora?

Depois de conduzir meu primeiro programa de treinamento mencionado acima, fui imediatamente fisgada. É muito gratificante para mim quando posso me conectar com os alunos, aproveitando o tempo para apreciar a perspectiva deles de seu próprio ambiente de data center. 

O que faz um bom instrutor? 

Amar o que você ensina. Entenda as perspectivas de seus alunos para tornar o material relevante para sua própria experiência. Por fim, deixe o aluno sempre querendo saber mais. 

O que você acha que diferencia o CNet Trainig de outros provedores de treinamento ou educação?

O compromisso da CNet com o desenvolvimento contínuo de seus instrutores me chama a atenção. Todos os instrutores da CNet não são apenas profissionais da indústria, mas também instrutores certificados. Este credenciamento garante que os clientes da CNet estão sendo ensinados por profissionais da área e que entendem a entrega de instrução para fornecer a mais alta qualidade de educação para todos os alunos.

Se você pudesse mudar algo no setor de data center, o que seria?

Infelizmente este ramo tem um ambiente de pressão extremamente alta 24 horas por dia, 7 dias por semana. Erros humanos causam inatividade e deixam dúvidas entre proprietários e operadores. Eu gostaria de poder encontrar uma maneira de promover um trabalho neste ambiente tão exigente, principalmente para a geração mais jovem. É difícil vender isso para atrair talentos de todas as disciplinas necessárias para tornar as operações perfeitas. 

O que fez você querer se tornar uma mentora? 

Ao longo da minha carreira, encontrei alguns profissionais excepcionais que me forneceram orientação e apoio quando precisei. Me tornar uma mentora é uma forma de retribuir. Como se fosse uma homenagem a todos aqueles que me ajudaram ao longo dos anos. Qualquer orientação, suporte ou perspectiva que eu possa fornecer a alguém vale a pena.

Você acha que mais mulheres deveriam considerar uma carreira na indústria de infraestrutura digital?

As mulheres têm um grande papel a desempenhar na formação da era da infraestrutura digital. Cibersegurança, inteligência nacional, aeroespacial, farmacêutica e bioengenharia são uma das inúmeras oportunidades para as mulheres neste setor de inovação e liderança. 

Qual é o conselho mais útil que você recebeu em sua carreira? 

Algumas palavras de sabedoria foram transmitidas do meu passado, mas acho que a que mais me marcou e que posso aplicar a quase tudo é: ‘você não sabe, se você não consegue explicar’. Essa frase é útil em diferentes situações.

Você tem algum conselho para as pessoas que gostariam de entrar no setor de data center? 

Estamos na era digital, então sugiro que todas as pessoas que são fascinados por tecnologia entrem em contato com as organizações de data center para ver quais opções de carreira existem. Procurem programas de mentoria e estágios em alguma empresa de instalação de missão crítica. Todos neste campo fazem a diferença e a indústria está clamando por novos talentos. Este é o momento perfeito para considerar uma carreira na indústria de infraestrutura digital.

Saiba mais sobre a CNet Training clicando aqui.

Clique abaixo para compartilhar este artigo

Navegue por nossa
primeira edição

LATAM Portuguese

Ver Arquivo da Revista