Conheça Ken McElrath, fundador e CEO da Skuid

Conheça Ken McElrath, fundador e CEO da Skuid

Ken McElrath, fundados e CEO da Skuid, nos conta o que o motiva dentro do universo da tecnologia de informação

Ken McElrath, fundador e CEO da Skuid

O que você descreveria como sua conquista mais memorável?

Depois de várias experiências de quase morte em minha vida, a resposta a essa pergunta ficou bem clara para mim. Você não pode levar nada com você, exceto sua família e amigos. Os relacionamentos são mais importantes do que qualquer outra coisa. Portanto, manter um casamento saudável por 38 anos (até agora) foi e provavelmente continuará sendo a minha conquista mais memorável e gratificante. Cuidar de uma família cada vez maior, que se preocupa um com o outro e gosta de estar juntos, vem em segundo lugar em relação ao meu casamento. Na verdade, todas as outras realizações foram baseadas no apoio de minha esposa e família.

De onde surgiu a ideia de começar uma carreira na área de tecnologia?

Eu escrevi meu primeiro programa em BASIC em um sistema Digital VAX na faculdade. No início da minha carreira, que coincidiu com o lançamento do Apple Macintosh, trabalhei em vários cargos de design e marketing e desenvolvi experiência em Mac muito antes das grandes empresas começarem a levar o Mac a sério. Em seguida, fui parar na MicroAge, que passou de uma rede de revendedores de computadores a um distribuidor master e uma empresa de integração de sistemas Fortune 500. Quando comecei como designer gráfico, minha experiência com Mac e bancos de dados ajudou a acelerar minha carreira. Olhando para trás, parece que eu me sentia mais confortável quando estava na interseção de tecnologia e design. Essa combinação única eventualmente me rendeu uma posição como chefe de marketing para as filiais de integração de sistemas de propriedade da empresa na MicroAge.

Saí da MicroAge para ajudar a lançar uma organização sem fins lucrativos chamada Trueface. Em meu tempo livre, vendia software para gerenciar organizações sem fins lucrativos. Depois disso, trabalhei com uma série de startups de tecnologia, incluindo minhas próprias empresas. Minha experiência inclui o uso de software para resolver problemas em varejo, cadeia de suprimentos, educação, imobiliário, organizações sem fins lucrativos e marketing. Resolver todos esses problemas levou ao lançamento do Skuid, que resolve um grande problema comum a todos esses setores.

Que estilo de filosofia de gestão você emprega em seu cargo atual?

A coisa mais importante para os gerentes e líderes se concentrarem é em cuidar de seus funcionários. Você os serve, não o contrário. Seus funcionários precisam compartilhar valores, sentir a mesma paixão e experimentar o mesmo sentimento de pertencimento se você quiser alcançar o sucesso. Você tem que começar cuidando de seus funcionários para que eles possam cuidar de seus clientes. A partir daqui, como disse o técnico Bill Walsh, o jogo vai cuidar de si mesmo.

O que você acha que é o ponto de referência da tecnologia atual?

Em meio a essa pandemia, o importante é se conectar e se manter conectado aos clientes e funcionários de maneira útil e significativa. As empresas que antes tinham alternativas à tecnologia, como lojas físicas, escritórios ou viagens, foram forçadas a repensar completamente suas estratégias de entrada no mercado. Mesmo as empresas que usaram muito a tecnologia, perceberam o quão dependentes continuam de um software que falhou em fornecer os níveis de utilidade, clareza, eficiência e satisfação necessários. Aplicativos que eram “bons o suficiente” no ano passado se mostraram terrivelmente inadequados durante uma pandemia. Para muitas organizações, a transformação digital acelerou mais rápido do que aconteceria sem a crise. Para outros, foi tarde demais.

Como você lida com o estresse e relaxa fora do escritório?

Primeiro, cuido do meu corpo. Me tornei vegano e tenho uma dieta 100% vegetal, sem adição de sal, óleo ou açúcar. Além disso, treino três dias por semana e faço algum tipo de exercício diariamente. Isso fez uma boa diferença em meu nível de estresse e saúde. Em segundo lugar, como tenho tendência a trabalhar demais, estabeleço expectativas mais realistas para meu dia de trabalho e tenho passado o tempo fazendo coisas que trazem perspectiva, como trabalhar no quintal, caminhar com minha esposa, fazer um projeto de reforma, ouvir podcasts (adoro as coisas do Tim Keller) ou jantar com a minha família. Além disso, eu me permito tirar férias e miniférias. Todas essas coisas têm sido muito úteis para manter a saúde mental, física e espiritual. Está tudo conectado.

Se você pudesse voltar e mudar uma decisão de carreira, qual seria?

Não acho que mudaria nada. Os fracassos me ensinaram mais do que os sucessos. Os erros me ensinaram humildade e essa é provavelmente a primeira coisa que alguém precisa aprender antes de liderar os outros. Teria sido mais confortável evitar a dor, mas sofrer por causa do fracasso pode cimentar lições importantes em sua alma. Há uma conversa particular com Steve Ballmer que eu gostaria de poder refazer. Mas eu era jovem e, francamente, muito sem noção quando isso aconteceu. Desculpe, Steve.

O que você identifica como as principais áreas de investimento em seu setor?

Muitos de nossos clientes estão investindo em portais – aplicativos que os conectam com seus funcionários e clientes. Eles vêm para o Skuid porque, com nosso conjunto de ferramentas, podem criar uma experiência totalmente sofisticada e de marca que simplifica a experiência do usuário, mascarando a complexidade necessária nos bastidores. E eles podem colocar um portal em produção em menos da metade do tempo do que outras tecnologias de baixo código e cerca de um décimo do tempo que levaria para escrever o código. Estamos vendo um grande crescimento nos aplicativos de portal com formulários de entrada adaptáveis. Coisas que costumavam ser feitas com muito papel ou centenas de cliques podem ser reduzidas a apenas alguns cliques com o Skuid.

Quais são os desafios específicos da região ao implementar novas tecnologias na América do Norte?

Como uma oferta nativa da nuvem, realmente não enfrentamos desafios específicos da região.

Quais mudanças no seu trabalho você viu no ano passado e como você vê isso nos próximos 12 meses?

A maior mudança foi administrar durante uma crise. Embora todo CEO enfrente desafios diários, a pandemia me forçou a agir mais como um líder em tempo de guerra. Por causa de nossos valores, decidimos que é muito importante ajudar nossos clientes a superar esta crise de todas as formas possíveis.

Portanto, de maneiras muito tangíveis, seus desafios se tornaram nossos, o que significa que fizemos o nosso melhor para ajudar alguns de nossos clientes a seguir em frente, enquanto ajudamos outros a crescer muito mais rapidamente. Todos os dias perdemos e ganhamos algumas batalhas. Os altos e baixos emocionais podem ser exaustivos, mas você tem que continuar. Então, realmente, o ano passado pareceu muito com uma guerra, e isso requer um tipo diferente de liderança do que administrar em “tempos de paz”.

Que conselho você daria a alguém que aspira obter uma posição de nível C em seu setor?

Procure pessoas em quem você possa confiar. Encontre mentores – uma ou duas pessoas que já fizeram isso antes e que desejam caminhar ao seu lado. Ser um líder de nível C é um trabalho solitário e muitas vezes ingrato. O dinheiro não ajuda a superar a solidão. Trabalhar árduamente só piora as coisas. Invista na sua família. Se você é casado e tem filhos, aprenda como conduzir bem esses relacionamentos. Se você é solteiro, conecte-se com pessoas que possam apoiar suas necessidades emocionais e espirituais e com quem você possa retribuir o amor. Se você cresceu com disfunções como o resto de nós, encontre um conselheiro. Encontre outras pessoas que possam treiná-lo. Admita que precisa dos outros e lembre-se de que eles precisam de você. Você precisará dessa base de relacionamentos fora do trabalho se quiser prosperar e terminar bem.

Clique abaixo para compartilhar este artigo

Navegue por nossa
primeira edição

Magazine Cover

Ver Arquivo da Revista