Magazine Button
Conheça: Paola Bonilla, diretora executiva, CRC Colômbia

Conheça: Paola Bonilla, diretora executiva, CRC Colômbia

No lado mais leve das coisas, perguntamos a Paola Bonilla, diretora executiva da Comissão de Regulação de Comunicações (CRC) na Colômbia, o que a motiva

Paola Bonilla, diretora executiva da Comissão de Regulação de Comunicações (CRC) na Colômbia

O que você descreveria como sua conquista mais memorável?

Uma conquista significativa foi voltar a CRC como comissária. Desde que parei de trabalhar lá em 2014, sempre tive o desafio de voltar para outro cargo. Conquistá-lo em 2020, através de um concurso baseado no mérito, é uma das minhas principais conquistas, pois foi algo em que trabalhei durante vários anos.

O que te trouxe para uma carreira em tecnologia?

Apesar de ter estudado Economia, participei de um clube de ciências e de um projeto colombiano chamado Gobierno Escolar. Desde então, sou apaixonado por assuntos que têm a ver com tecnologia e ciência.

Na Secretaria Nacional de Planejamento, fui responsável por desenvolver projetos de inovação baseados em Big Data como insumo para a construção de políticas públicas. Para isso, coordenei a Unidade de Cientistas de Dados do DNP, a primeira equipe técnica do setor público que aplicou e promoveu o uso de dados para a tomada de decisões de políticas públicas na Colômbia.

Que estilo de filosofia de gestão você emprega no seu cargo atual?

Acredito que a principal tarefa de um líder, independentemente do nível hierárquico, tem a ver com a confiança e a construção de equipes de trabalho fortes e alinhadas. Com isso em mente, procuro sempre construir equipes que trabalhem de forma articulada e coordenada, com objetivos horizontes claros.

Qual você acha que é o tópico das conversas atuais sobre tecnologia?

Crises, como a pandemia da Covid-19, levaram reguladores de vários países a emitir medidas que garantam a prestação de serviços e garantam que os usuários continuem com sua vida pessoal e profissional. Acredito que com o espaço que a Transformação Digital ganhou, o uso e apropriação das TIC é um tema que vai ficar na agenda pública.

Como você lida com o estresse e relaxa fora do escritório?

Prefiro chamar de momentos de maior ou menor pressão. No que diz respeito à minha vida pessoal, partilhar bons momentos com a minha família, ler e fazer exercício são algumas das atividades que realizo.

Se você pudesse voltar atrás e mudar uma decisão de carreira, qual seria?

Aprecio a responsabilidade e integridade das decisões que tomei. Embora às vezes eu possa ter cometido erros ou escolhido decisões que não foram muito acertadas, no final, todas elas me levaram a um processo de aprendizado e também a onde estou hoje.

O que você identifica atualmente como as principais áreas de investimento em seu setor? 

Acredito que a promoção do talento humano com qualificações de boa relevância impactará significativamente a competitividade digital, assim como gerará condições para a apropriação e uso das TIC.

Quais são os desafios específicos da região na implementação de novas tecnologias na América Latina?

Em relação às políticas regulatórias, consideramos que é necessário reforçar a melhoria regulatória como forma de garantir a qualidade da regulação. Deve ser feito por meio de diferentes ferramentas baseadas em colaboração, simplificação de marcos regulatórios, redução de carga, geração de espaços para autorregulação e uso de tecnologias para gestão de dados e inovação.

Tudo isso deve ser combinado com esquemas experimentais como sandboxes regulatórias, o que resulta na aplicação de regulação inteligente. Isso tem nos mostrado impactos positivos como parte da reforma regulatória.

Nesse sentido, considero de grande valia chamar a atenção para os espaços dos esquemas experimentais nos processos regulatórios da região, entre outras ferramentas regulatórias da inovação.

Que mudanças você viu em seu cargo no ano passado e como você acha que elas se desenvolverão nos próximos 12 meses? 

Nos próximos 12 meses, a CRC consolidou um processo de planejamento e um roteiro claro. Temos uma agenda regulatória para o período de 2022 a 2023 com mais de 30 projetos regulatórios, onde 41% correspondem a questões de concorrência, 24% a questões de bem-estar e direitos de usuários e públicos, 24% a inovação e aprimoramento regulatório; 7% para gestão de grupos de valor e 4% para fortalecimento institucional.

Que conselho você daria a alguém que aspira a uma posição de nível C em seu setor?

Mais e mais oportunidades estão se abrindo para as mulheres, especialmente em cargos de nível C no setor de telecomunicações. Meu desejo é continuar trabalhando para posicionar as mulheres na construção de agendas que permitam gerar mais e melhores oportunidades.

Meu conselho é definir um objetivo claro alinhado com seus desejos e aspirações e direcionar todas as suas ações para alcançá-los. Ter uma visão de longo prazo e estabelecer pequenos sucessos permitirá que você atinja seus objetivos.

Clique abaixo para compartilhar este artigo

Navegue por nossa
última edição

LATAM Portuguese

Veja todas as edições