Conheça Chris Schueler, CEO da Simeio

Conheça Chris Schueler, CEO da Simeio

Levando em consideração o lado mais leve das coisas, perguntamos a Chris Schueler, CEO da Simeio, o que o move

Chris Schueler, CEO da Simeio

O que você descreveria como sua conquista mais memorável?

Sem dúvida, minha conquista mais memorável foi criar minhas três filhas, todas elas focadas em STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática) e causando impactos positivos em nossa sociedade. Precisamos de mais diversidade e igualdade em tecnologia e devemos todos tentar fazer nossa parte para melhorar nessas áreas para tornar nosso setor melhor.

De onde surgiu a ideia de começar uma carreira na área de tecnologia?

Você se lembra do filme Jogos de Guerra do início dos anos 80? Eu dou créditos àquele filme por me deixar viciado em tecnologia. A ideia de ser capaz de impactar governos, empresas e o público por meio de 1s e 0s em um mundo cibernético era fascinante e me levou a explorar todas as coisas relacionadas à tecnologia.

Que estilo de filosofia de gestão você emprega em seu cargo atual?

Eu me vejo como um coach que é guiado pela capacidade de definir a visão e focar na transformação. Estou sempre focado em construir a melhor equipe possível para liderar nossa empresa e meu trabalho é dar a eles a direção estratégica necessária e coaching ativo para torná-los bem sucedidos. Nós somos a soma de nossas partes. Quero que todos ganhem, desde nosso pessoal até nossos clientes.

Para você, qual é o ponto de referência da tecnologia atual?

A transformação digital e a nuvem são as forças motrizes para todos os negócios, tanto de crescimento de receita quanto de oportunidade de custo. Dito isso, o tema mais quente no momento é trabalhar de maneira mais inteligente. O Big Data e a análises estão recebendo muita atenção por todos os motivos certos.

Como você lida com o estresse e relaxa fora do escritório?

O estresse nesta posição como CEO é principalmente autoinduzido, mas eu quero o melhor para nosso pessoal, nossos clientes e nossos acionistas e patrocinadores. Carregamos as expectativas desses três grupos em nosso núcleo e é sempre um equilíbrio, mas o que me ajudou ao longo dos anos é um elemento central. Estou sempre ganhando ou aprendendo. E se você for autêntico neste enfoque nos três grupos, gerenciar o estresse não é realmente um foco, mas é mais em torno de “você realmente ama o que faz”? Minha vida dentro e fora do escritório está misturada.

Se você pudesse voltar e mudar uma decisão de sua carreira, qual seria?

Essa é uma ótima pergunta, mas eu diria que todas as oportunidades me forneceram habilidades e experiências importantes que moldaram quem eu sou hoje, então realmente não posso dizer que mudaria muito. Acho que ter um apreço pelo o que sua equipe está fazendo é importante quando você é um coach e líder que sempre quer o melhor para seu pessoal, não importa a função que ocupem ou as capacidade que tem.

Quais são os desafios de implementar novas tecnologias na América do Norte?

Com o Covid e os impactos da pandemia na economia, há claramente desafios específicos da região que giram em torno dos clientes com quem trabalhamos e da situação de sua empresa, mas temos visto muitos clientes abrindo e iniciando projetos que antes estavam parados. Isso é muito positivo. Após a pandemia, acredito que a dinâmica de trabalho dos novos funcionários continuará a criar mercados paralelos para muitos setores. Também veremos muitas empresas dobrarem em tecnologias-chave que permitem a transformação digital que todas as empresas buscam e que está evoluindo rapidamente com o novo mercado que está se formando pós-Covid.

Quais mudanças no seu trabalho você viu no ano passado e como você vê isso nos próximos 12 meses?

A principal mudança foi a pandemia e o impacto, tanto para nosso pessoal quanto para a economia que impactou nossos clientes. Isso criou oportunidades para repensarmos nosso negócio, estratégia e como melhor atender às necessidades de nossos clientes. Nos próximos 12 meses, vejo nossa estratégia se acelerando e sendo capaz de atingir mais clientes e gerar mais valor em nossa base de clientes. A pandemia está impulsionando projetos que um ano atrás eram apenas uma ideia, mas que e hoje se tornaram uma necessidade

Que conselho você daria a alguém que aspira ter uma posição de nível C em seu setor?

Meu primeiro conselho é ter paciência. Trabalhe e sempre aprenda. Faça perguntas e procure mentores. Meu segundo conselho é: não subestime os impactos que sua saúde tem sobre seu desempenho no trabalho e em casa. É fácil consumir todo o seu tempo e energia no trabalho e dar desculpas a respeito da sua saúde. Isso se resume à disciplina e todos os colegas de nível C e amigos meus que tiveram sucesso são extremamente disciplinados. Por último, você precisa estar confortável. Abrace e arrisque, pode até falhar, mas que seja rapidamente e que dê sempre um passo à frente.

Clique abaixo para compartilhar este artigo

Navegue por nossa
primeira edição

Magazine Cover

Ver Arquivo da Revista